Visitantes da tia Val

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Observações sobre a prova da OAB de ontem: O povo nervoso é muito engraçado !!!


Boa noite, meu povo!!! Estou de volta com a postagem a respeito das minhas observações sobre a prova da OAB de ontem. Antes de sair de casa, preparei um post às pressas falando sobre a ansiedade daquele momento, quem não leu ainda... aqui está. Quanto ao texto pós-prova, a intenção inicial era fazer ontem, enquanto as coisas ainda estivessem borbulhando na minha cabeça, mas o cansaço... ah, o cansaço não me permitiu essa proeza. Mas como eu me lembro bastante do que queria falar, como fiz algumas anotações durante a prova e como já saiu o gabarito preliminar, resolvi fazer uma mini página do Diário de uma concurseira e logo depois coloquei minhas observações gerais sobre o dia, tudo bem? Então vamos lá:

Primeiro, a boa notícia: De acordo com o gabarito preliminar, eu consegui a pontuação mínima para a segunda fase, sabe aqueles 40 pontos necessários? Pois eh, fiz quarenta e poucos... bem poucos mesmo, ta? hehe... mas o importante é que consegui.

Segundo... Confesso que esperava uma prova mais difícil, estava preparada psicologicamente para não atingir o mínimo, por não ter estudado quase nada. Não que estivesse fácil, mas dava para fazer sem maiores dificuldades, foi cobrado mais conhecimento e interpretação de lei do que entendimentos jurisprudenciais, os enunciados estavam bastante claros, embora pouco objetivos e o tempo dava para realizar a prova com tranquilidade: São cinco horas de prova e eu terminei com três horas e meia sem correria.

Consegui gabaritar a parte do Estatuto e Código de Ética da OAB (valeu a pena tirar aquela semaninha de folga do MPU, neh? Rsrs), tive mais dificuldades nas matérias de Direito Empresarial e Processo Penal. Uma dessas não me surpreendeu, pois foi uma das matérias que menos me identifiquei na faculdade – Empresarial – e normal levar bomba nela, mas Processo Penal me preocupou um pouco. Não que eu tenha sido uma aluna exemplar nesta matéria, minha frustração não tem nada a ver com isso, é que o assunto será bastante cobrado no Concurso Público do dia 19 e eu me vi muito ignorante nessa área, bateu aquela insegurançazinha de leve (ta, foi quase um desespero total). De resto, acho que meu desempenho foi médio. Agora é voltar à rotina de MPU e depois do dia 19 meter a cara para a segunda fase, que vai ser em junho.


Agora quero destacar as situações que presenciei naquele dia que me chamaram a atenção, e começo falando sobre a porta de entrada e arredores do local de prova: Lotado de representantes de cursinhos preparatórios angariando possíveis alunos para a segunda fase do exame, e achei interessante o seguinte: Eu vivo fazendo prova de concurso por aí e sempre vejo galera vendendo água, lanche e principalmente caneta na porta das escolas, mas nunca vi ninguém dar nada... de graça? Não, nunca. Já vi branquinho vender uma caneta vagabunda por R$ 2,00 e gente comprando... fala sério! A pessoa vai fazer uma prova e não leva caneta? Ta a fim de ser extorquido mesmo, merece. Mas os Cursos Preparatórios da OAB são diferentes, eles entregam brindes para as pessoas a fim de chamar a atenção de seus futuros clientes, olha que legal!!! Só caneta eu ganhei cinco. Garrafinhas de água, duas. Fora lanchinho, chocolates, bolsinhas personalizadas... me amarrei nesse negócio, olhem só:




O segundo ponto que quero comentar: Não gostei do horário da prova.  Bem na hora do almoço? Ta de brincadeira!!! Quem consegue se concentrar em Direito com a cabeça naquele pratão de comida? Acho que mesmo quem consegue comer cedo deve ter tido dificuldade com isso. No meu caso, então... que acordei por volta de 9:00, tomei café quase às dez e saí de casa por volta de onze e alguma coisa... impossível almoçar antes de ir. Resultado: Acabei sentindo bastante falta de comida salgada e minha cabeça doeu um pouco.

Mais uma coisa que quero destacar e que me interessou bastante escrever foi o nervosismo da galera. Eu confesso que só consegui me acalmar depois que a prova começou, porque o que estava me deixando nervosa era a espera para dar 13:00, o tempo simplesmente parou e entre meio dia e uma da tarde passaram-se exatas cinco horas. Mas embora eu não estivesse muito calma com aquela situação, eu consegui observar candidatos muito mais nervosos que eu dentro da sala de prova, sendo que três me chamaram mais a atenção:

1.    Escutei gente batendo a caneta na mesa insistentemente. Não cheguei a ver quem era, mas sei que isso é sinal de nervosismo... em determinadas situações eu balanço a perna de tal forma que ela chega a ficar dormente. Mas o ruim de quem tem esse tique de bater as coisas é o barulho chato que faz, e eu já estava me preparando para armar um barraquinho básico, caso o barulhinho irritante perdurasse durante a prova, mas parou, para o alívio geral da nação.

2.   Na minha frente tinha um rapaz tão nervoso que ele cismou que a caneta dele não estava funcionando. Acontece direto de a caneta das pessoas falharem na hora da prova, mas eu sempre levo umas duas ou três, então ofereci gentilmente uma de minhas canetas ao rapaz. Ele pegou, testou e disse que também não estava funcionando. Então eu olhei a folhinha que ele estava testando as canetas e cara... a folha estava TODA RABISCADA, ele simplesmente não estava vendo que as canetas funcionavam perfeitamente. Coitado, estava tão desesperado que não conseguia enxergar que tudo estava sob controle. Olhei pra ele com aquela cara tipo O_o Como assim, meu filho? E ele falou: “Nossa, estou tão nervoso que já nem sei o que estou fazendo!” Sinistro. Fiquei batendo papo com ele para ver se o acalmava e acho que deu certo, pelo menos um pouco da paranóia dele passou na hora da prova. Fiz minha boa ação do dia =)

3.   E teve ainda uma moça do meu lado que não pude deixar de reparar. Ela chegou na sala sem biscoito, chocolate, água, nada disso... ela só colocou em cima da mesa quatro embalagens de Trident: Duas verdes e duas azuis. Por volta de duas horas depois do início da prova, eu observei que só havia duas embalagens e que as outras já estavam vazias, amassadinhas ali do lado. Pensei: Caramba... e a partir dali eu comecei a reparar que a garota colocava um chiclete atrás do outro na boca, toda vez que eu escutava um barulhinho de papel eu olhava e ela estava abrindo  mais um. Confesso que a essa altura já não conseguia pensar somente na prova, aquela cena tirou um pouco da minha concentração, juro, foi muito esquisito. E mais um detalhe: Eu acredito que a garota estava engolindo aquela goma toda, só pode... eu não percebi ela jogando nada fora e a boca dela não estava com aquela aparência de quem tem 20 chicletes dentro. Pois eh, gente... quando uma coisa me chama a atenção eu sou dessas que não consegue parar de olhar e ainda fica criando a história da pessoa mentalmente. Pode até ser feio da minha parte, mas é uma característica minha bem interna, que nem sei porque estou expondo aqui (Ah, lembrei... é para justificar o fato de ter reparado tanto na garota dos chicletes).

No mais, sem problemas... A fiscal de prova da minha sala era super gentil e educada e, não sei por que cargas d’água, ela decorou meu nome desde que cheguei e entreguei minha identidade. Todas as vezes que ela se dirigiu a mim, me chamou pelo meu nome, inclusive quase cinco horas depois de ver minha identidade, enquanto eu entregava a prova para sair, ela disse: Boa sorte, Valquíria. Achei interessante e até me lembrei de um post da Cissa, falando sobre esse lance de tratar as pessoas pelo nome e como isso às vezes assusta, rsrsrs. No meu caso eu realmente me assustei porque ela só decorou meu nome e de mais uns dois rapazes, pelo que reparei. E acho que já deu para perceberem que eu mais reparei o que acontecia ao meu redor do que fiz prova mesmo, neh? Hahahahaa.


Bem, acredito que no final das contas, o saldo foi positivo, graças a Deus. Não posso deixar de agradecer aos meus irmãos que oraram por mim nesse dia e pelos amigos que ficaram na torcida e me mandaram palavras de incentivo. Vale muito a pena estar cercada por pessoas tão especiais e queridas. Obrigada a todos.

Então vou ficando por aqui, por enquanto. Bjus e até a próxima!


4 comentários:

  1. Este horário de 13:00 hrs é punk mesmo Val, mesmo esquema do ENEM. É bom comer uma barra de cereal antes para (pelo menos tentar) evitar esta dor de cabeça de fraqueza.
    Eu gostei da ideia de ganhar tanta coisa assim! ahahah!
    Todos tem um modo de expressar, ou não, seu nervosismo. Sou tal como você, minhas pernas "criam vida", rs.
    Acho que isto se deve muito a quanto somos severos conosco. Certa vez uma professora me disse acerca de concursos e vestibulares: "É só uma prova, não é ela que avaliará toda a sua capacidade, há dias que estamos bem ou mal e isto se reflete muito".
    E como reflete, basta perceber uma pessoa que praticamente "perde a visão" (o cara da caneta) ou supostamente engole quilos de chiclete.
    A vida nos traz sempre outras chances e alternativas e encarar estes testes deste modo, já é um grande passo para não entrar em pânico que, consequentemente, acaba por levar ao fracasso.
    Não se cobre muito, não importa o quanto você tenha conseguido. O importante é que conseguiu e a prova serviu também para que pudesse perceber os pontos fracos do concurso que irá enfrentar e corrigi-los a tempo.
    Sorte aí parceira!

    ResponderExcluir
  2. Oi Val
    Muito legal o post, bem explicativo. Sei que essas provas da OAB dão muito medo, por isso a galera tava batendo a caneta na carteira de nervosismo kkkkkk. Eu tenho certeza de que vc se saiu bem. Tenho que chamar vc de Dra.? kkkkk.
    Bjão.

    ResponderExcluir
  3. Oi Val:
    Também fiz a última prova da OAB, mas não tive a mesma sorte que você.
    Na hora de passar as respostas para a folha de respostas, acabei trocando as alternativas (não por erro de marcação, mas porque achei que minhas respostas anteriores é que estavam erradas).
    Se não tivesse mudado minhas respostas, teria acertado 43 questões e agora estaria aprovada na primeira fase.
    Mas serviu de lição, pois entendi que quando a gente começa a prova, está com a cabeça mais livre para pensar.
    Com o passar das horas, e depois de ler 80 questões, tudo vai ficando embaralhado e a gente perde um pouco o equilíbrio mental.
    Então na próxima vez, vou marcar as respostas e não pretendo reler e fazer nenhuma alteração.
    Quanto ao conteúdo, também não considerei difícil, apenas um pouco confuso.
    Te desejo boa sorte na segunda fase.
    A propósito, qual a área que você escolheu para a segunda fase?????
    Bjs.:
    Sil
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gostei das suas percepções sobre a prova da OAB. Tem tanto tempo que fiz a minha, que já nem lembro mais dos detalhes. Porém, é divertido ver o estado das pessoas, gente levando dois ou três vade mecuns, verdadeiros pique-niques, etc.
    Sei que já tem bastante tempo dessa postagem, mas o tema me interessou. Embora seja um assunto que, desde a realização da minha prova, praticamente não voltei a tocar.

    ResponderExcluir

Que bom que você leu o post até o final, sinal de que não era tão chato assim, neh? Seu comentário é muito importante para mim, não saia sem deixar um Oi, para eu saber quem veio me visitar. Sempre que posso, retribuo as visitas. Bjokas da Val!

Ocorreu um erro neste gadget

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...