Visitantes da tia Val

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O amigo imaginário de Melissa Jones

De volta às blogagens coletivas, participando da 38ª do blog Café entre amigos, esse aqui, ó. Espero que curtam.


Olá, meu querido amigo, como vai?

Já faz algumas semanas que não te escrevo, e sei que estou em falta contigo, mas é que tanta coisa anda acontecendo que quase não tenho tempo nem para dormir. E você sabe como eu gosto desse prazer, não é? Lembra quando éramos crianças e você fazia o maior esforço para me acordar de manhã? Ah, era tão divertido quando você pulava em minha cama e puxava minhas cobertas... E quando você escondia minhas coisas? Nossa, mamãe me chamava de relaxada por sua causa, sabia? E quantas vezes já não levei umas boas chineladas por conta de suas travessuras? Você sempre foi um danado! Mas um danado muito especial, que sempre esteve do meu lado em todos os momentos de minha vida.

Hoje de manhã, enquanto ajudava meu filho na lição de casa, lembrei de você e das nossas conversas. É claro que eu reconheço o esforço e dedicação de meus pais para que eu estudasse e tivesse uma vida digna hoje, mas seu incentivo sempre me foi essencial. Lembro que uma vez você estava com o pensamento longe, olhando para o nada e de repente disse assim: “É tão bom saber as coisas! Deve ser muito chato alguém te perguntar uma coisa e você não saber”. Acho que entre tantas conversas boas que já tivemos, esse seu surto filosófico de criança foi uma de minhas maiores inspirações para a busca pelo conhecimento. Saber as coisas. Pode rir, eu sei que estou sendo boba.

Ontem eu tive uma audiência daquelas bem difíceis, cheia de testemunhas e depoimentos demorados, cheia de drama e suspense. Chegou um momento em que eu achei que aquilo tudo não adiantaria nada, que o juiz não tinha coração e que a justiça jamais seria feita. Fiquei frustrada por antecipação, mas precisava fazer meu trabalho, defender meu cliente era meu dever e eu sabia que o melhor de mim era tudo que eu podia dar, ainda que não adiantasse. E aconteceu exatamente como você me disse uma vez, aquilo que fazemos um pelo outro sempre volta para nós em dobro. Pois você acredita que eu consegui reduzir ao mínimo a pena do meu cliente? Mas minha satisfação por isso nem foi nada perto do que ouvi da mãe do rapaz depois do julgamento. Ela disse que entendia que o filho devia pagar pelo que fez, mas que eu tinha dado a ela a esperança de que ainda existiam pessoas boas nesse mundo, e que ela via em meus olhos e nas minhas palavras que eu acreditava que seu filho poderia mudar quando saísse da prisão.

E eu acredito mesmo, sabe? Se eu não acreditasse naquilo que faço e naquilo que defendo, não faria nenhum sentido. Eu seria apenas mais uma bacharel em direito vagando pelos fóruns da cidade, mas não... Eu me orgulho de ser uma advogada que ama o que faz e põe o coração naquilo. Obrigada, meu amigo, por me ensinar coisas que faculdade nenhuma jamais poderia me ensinar.

Sabe de uma coisa, Vinny, nossa infância foi muito divertida e eu sinto falta daquela época. É que quando a gente cresce precisa assumir responsabilidades, dar conta do trabalho, de casa, dos filhos e marido. E como eu disse, não sobra muito tempo para as coisas de criança. Seria tão bom se todos mantivessem contato com seus amigos imaginários mesmo depois de adultos, não é? Eu tenho tentado, você sabe disso. E espero conseguir sempre, pois você e sua lembrança me fazem muito bem.

Um grande beijo de sua amiga

Melissa Jones

10 comentários:

  1. Olá boa noite , olha eu aqui seguindo
    vc e adorando participar dessa blogagem
    tão bonita com lindas histórias como a sua
    gostei e te parabenizo , deixo um abraço com carinho
    e que bom se nós adultos tbém tivéssemos nosso amigo imaginário

    Bjuss com carinho

    _____________Rita!!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa que lindo amei a carta e a forma que conduziu a blogagem, parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Valquíria! Que impressionante a sua personagem Melissa Jones! Apesar de já ser adulta, relembra com carinho de seu amigo imaginário e escreve para ele, como para si mesma, remetendo-nos ao alter-ego, ao interior, onde se busca inspiração e sentido para a vida. parabéns pela participação!
    Um abraço e tenha bons dias!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela postagem, assim todos os amigos imaginários pudessem influenciar as pessoas para o bem, assim como na sua história. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  5. Que legal sua blogagem achei super criativa.

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente sensacional seu conto adorei.

    ResponderExcluir
  7. Gosto muito de texto em forma de carta e você, arrasou na participação da blogagem, parabéns! Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olha só que beleza!
    Escrever uma carta pra um amigo imaginário... gostei!
    Um ótimo fim de semana... beijos

    ResponderExcluir
  9. Achei lindo esse conto. A pureza da alma é algo muito importante e raro, mas foi isso que senti ao ler. parabéns por ter escrito uma obra tão linda. beijos

    ResponderExcluir
  10. Querida Valquíria
    Adorei a sua carta
    Parabéns pela criativa e emocionante participação
    Amigos são muito importantes mesmo sendo imaginários, não?
    Beijinhos afetuosos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir

Que bom que você leu o post até o final, sinal de que não era tão chato assim, neh? Seu comentário é muito importante para mim, não saia sem deixar um Oi, para eu saber quem veio me visitar. Sempre que posso, retribuo as visitas. Bjokas da Val!

Ocorreu um erro neste gadget

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...